Skip to content
Anúncios

A culpa é de todos nós!

A notícia em questão saiu na edição 1017 do Jornal Hoje aqui de Goiânia, portanto irá fazer 2 meses. Ainda é nova e contém informações importantes que devemos saber. O que é dito na reportagem não é exclusivo do córrego Capim Puba, esse é só mais uma vitima. Todos os mananciais de Goiânia sofrem algum tipo de agressão em diferentes graus, a constatação é triste, porém, mais triste ainda é a frase proferida por um INVASOR no final da reportagem ironizando  “Quero mais é que isso entupa tudo e seque de vez.” Como se o córrego já não existisse antes mesmo desse indivíduo nascer.

Córrego capim puba vira depósito de lixo e esgoto

Érica Ferreira
Jornal Hoje
31/07/2009

Equipe da Agência Municipal de Meio Ambiente (Amma) esteve no Córrego Capim Puba para investigar denúncias de poluição ambiental. Conforme a Gerência de Monitoramento Ambiental da Amma, foi constatado que uma galeria de água pluvial está recendo esgoto. Mas a agência ainda não sabe se o lançamento de detritos é feito por rede clandestina ou se houve rompimento da rede.

O gerente de Monitoramento Ambiental da Amma, Ramiro de Menezes, afirma que, se o problema for o rompimento, a solução será mais rápida. “Quando se trata de rompimento, a Saneago é informada e o resultado é, praticamente, instantâneo.” Porém, se o esgoto vier de ligações clandestinas, o procedimento é mais burocrático. De acordo com Menezes, o morador tem de ser notificado, depois é dado um prazo para regulação com a rede de encanamento e esgoto. “Se o responsável não tomar as providências, é autuado.”

Menezes explica que se trata de uma área de preservação ambiental, onde existem invasores de terras. “O córrego está contaminado.” O gerente de Monitoramento disse que a Agência Municipal de Obras (Amob) será acionada para localizar qual propriedade está lançando esgoto na água. Até o final da tarde de ontem a Amob ainda não tinha sido acionada.

O promotor de Urbanismo, Maurício Nardini, informou que existe uma Ação Civil do Ministério Público(MP), que trata da questão da poluição na localidade, tramitando no Judiciário. Porém, destaca que um Inquérito Civil do MP aborda a questão da invasão. “Se as famílias forem removidas para outro local, o problema não será resolvido por completo, mas haverá uma melhora substancial”, observa.

Conforme Nardini, muitas casas estão construídas próximas ao gabião (muro de pedras), o que oferece riscos. Por outro lado, ele acredita que diversas residências ainda não têm acesso à rede de esgoto. “A Prefeitura tem dado prioridade na habitação para moradores de áreas de risco e de áreas ambientais. Com as casas prontas, o Capim Puba poderá respirar.” O secretário Municipal de Habitação, Mauro Miranda, garantiu que até o final deste ano ficarão prontas as moradias destinadas aos moradores que não têm registros de suas casas.

A técnica em enfermagem Daiana Teixeira de Lima, 26, conta que já viu moradores jogando lixo nas margens do córrego. “Aqui tem odor forte, muitos insetos e quando chove é um terror. Tem até caminhão, desses que desentopem fossa, jogando os detritos na água”, reclama. O mestre de obras Odair Pereira, 47, defende ser necessária a conscientização ambiental da população e uma maior fiscalização. Muitos moradores da invasão foram abordados pela reportagem, a maioria não quis se manifestar. Um deles, que não quis se identificar, chegou a ironizar: “Quero mais é que isso entupa tudo e seque de vez.”

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: